Logo do Radar industrial

FAÇA SUA BUSCA NO MAIOR BUSCADOR INDUSTRIAL DO BRASIL
 

Bem-Vindo ao Radar Industrial.
Verificamos que esse é seu primeiro acesso. Leia antes de usar:

Este é um portal de busca de produtos e serviços industriais.

NOTA: Todos os produtos dispostos no portal pertencem aos seus respectivos fabricantes, representantes e distribuidores. O Radar Industrial e a Editora Banas não vendem os produtos e serviços publicados neste site.

Saiba mais acessando a página "Sobre o Radar"

Procura um produto específico? Digite o nome do produto/serviço nos campos acima e veja uma lista de empresas fabricantes. Para acessar o contato da empresa é preciso ser cadastrado.

Faça seu cadastro gratuitamente aqui!

Busca alguma empresa ou fabricante? Clique em "Empresas", faça uma rápida procura e encontre fabricantes e representantes desejados.

Tamanho das letras

Indústria - 08/12/2020

No Brasil, logística é o grande desafio para Plano Nacional de Vacinação

 De acordo com o Ministério da Saúde, o plano nacional de vacinação contra a Covid-19 terá, a princípio, quatro fases e deverá atender milhões de pessoas, espalhadas por todo o país. O plano traz agora, além da expectativa pela aprovação de alguma das vacinas, um questionamento importante: como será a logística para atender uma demanda tão grande? Com as doses precisando estar em temperaturas que variam, em média, entre 2 e 8ºC (algumas -70º), é preciso pensar em uma logística de cadeia fria que atenda desde as áreas metropolitanas até as mais remotas de um país com dimensões continentais.

“Um medicamento ou vacina deste porte tem uma série de pesquisas envolvidas, muitas vezes alinhadas com o estudo de estabilidade do produto, que demonstram quanto tempo ele pode ficar em certa condição de temperatura e umidade sem ter qualquer prejuízo em sua eficácia. Então, as cadeias de suprimento nesse processo são vitais, tendo a mesma importância da indústria. Se os elos da cadeia não atuarem de acordo com todas as regras e exigências das fábricas, há o risco de o produto não ter o efeito desejado no paciente”, alerta Ricardo Agostinho Canteras, especialista em logística de cadeia fria.

Para o executivo, o principal fator de dificuldade será o volume. As vacinas normalmente são aplicadas de acordo com um calendário anual, de forma sazonal. Já na situação que vivemos atualmente, em que a população precisará ser imunizada em massa, em um curto espaço de tempo, a logística de distribuição será diretamente afetada. A maior probabilidade é que empresas que já atuam nesse segmento sejam as escolhidas, afinal, não será uma adaptação simples de infraestrutura. Serão companhias com certificação da ANVISA para armazenamento, fracionamento e transporte desse tipo de produto, além de uma série de adequações que envolvem câmaras frias, freezers, geradores e equipamentos de fracionamento que também preservam a temperatura.

carol@conteudoempresarial.com.br

Mais Eventos

Mais Eventos

Notícias

publicidade